quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Review: Dexter: 6.07 “Nebraska”


E o que Dexter tem a ver com Nebraska? Suas férias forçadas. E volta o caso do Trinity Killer. Como? Nem eu tinha adivinhado, já que ele foi vítima de Dex em sua mesa da justiça.
Com a morte de Sam e o possível retorno de Trinity, que teria feito vítima a sua própria família, Debra acha de está a hora de Dexter tirar uns dias para descansar a cabeça. Como o novo caso Trinity aconteceu em Nebraska, e isso coça a cabeça do serial killer que sabe que o cara não vive mais, Brian convence o irmão de irem até lá conferir o que Jonah está aprontando, já que foi o único sobrevivente.
Cá entre nós, ou Harrison será uma peça-chave em toda essa história, tipo, continuação mórbida do pai, ou Dex não leva jeito pra coisa e essa criança irá atrapalha-lo cada vez mais. Imagina, o cara viaja uns dias, sai sempre durante a noite, trabalha, e seu filho fica lá, sempre aos cuidados de terceiros. 
Gostei da atitude de Travis, que voltou para o convívio de sua irmã e deixou de vez esse absurdo ditado pelo professor Geller. Só que tem uma coisa: acho que não será fácil se livrar do malucão. Ele agora está sondando a casa de Travis, e se não fizer uma besteira com ele, sua irmã é quem deverá pagar por isso. Legal Travis ter deixado livre a garota, que agora testemunha a favor do caso no departamento de Miami Metro. 
Muito louca essa parceria Dexter & Brian. Com seu passageiro negro a solta, Dex começa a agir como um desenfreado. Logo de cara, transa com uma estranha só para roubar a arma que está em sua loja. Depois, sai dando tiros como um louco, gritando sua liberdade com Brian. 
Ao parar em um motel na estrada, já fica claro que algo está pra acontecer. O atendente desconfia de Dex, e rouba todo o seu equipamento de perícia e suas facas afiadas. Para recuperá-los, Dexter sofre um suborno, já que o cara acha que ele vai entrega-lo para a polícia após ter visto sua plantação de maconha. Lógico que isso não ia dar certo, né? Final do cara: uma morte em dose dupla, por uma engarfada efetuada pelos irmãos da morte. Já era...
Com sua astúcia, Dex consegue tirar de Jonah a confissão de que ele herdou o instinto assassino do pai e acabou por exterminar toda sua família. Jonah armou para Dex, e quando ele pega o rapaz, este pede ao serial killer que o mate. Dexter para e começa a repensar, quando Jonah diz que se arrependeu e não quer ser igual seu pai. Enquanto Brian exige sua morte, Dex pensa melhor e lembra do que o irmão Sam disse a ele a respeito da luz interior. Jonah é deixado para viver e se perdoar.
Brian não se conforma, mas Dex deixa seu passageiro negro de lado. E quem aparece para uma caroninha na estrada? Harry, o lado moral de Dexter. E acaba assim.
Legal essa jogada da luz e escuridão do nosso protagonista. Achei muito bom o episódio, e espero que vejamos mais disso no decorrer da temporada. Só fiquei na dúvida se de repente não foi Jonah quem matou Rita, já que nunca foi confirmado que de fato foi o Trinity.


Nenhum comentário:

Postar um comentário