sexta-feira, 23 de março de 2012

Crítica : Jogos Vorazes

Reality show e luta de gladiadores farão o sucesso da nova saga dos cinemas


Se você já estava ansioso para curtir outra saga de sucesso como “Harry Potter”, “O Senhor dos Anéis”, ou até mesmo “Crespúsculo”, que acaba ainda este ano, acho que encontrou sua motivação. Jogos Vorazes (The Hunger Games) promete ser a nova trilogia que irá chamar bilheteria e fãs em todo o mundo.

O filme é uma adaptação do romance de ficção científica de Suzanne Collins, e já está virando fenômeno na literatura jovem. O americano Gary Ross (Seabiscuit – Alma de Herói) é o diretor.

Panem é o que restou dos Estados Unidos num futuro distante. A Capital, como é chamada a cidade principal, comanda os 12 distritos que a circundam. Devido uma revolta levantada contra a Capital, agora todos os anos os distritos têm que pagar com um casal de jovens representantes de sua região. Eles são chamados de “tributos”, e devem lutar até a morte numa competição chamada de “Jogos Vorazes”.

Para defender sua irmãzinha Primrose (Willow Shields), que foi escolhida como tributo pelo Distrito 12, a jovem Katniss (Jennifer Lawrence) se oferece para participar dos jogos. Junto a ela, o filho do padeiro, Peeta Mellark (Josh Hutcherson), é quem foi sorteado para representar o lado masculino. Peeta faz parte de uma família rica na região, ao contrário de Katniss, que é pobre e vive de caçadas para alimentar a todos em sua casa.

Você identificará uma mistureba neste filme: jogos romanos, reality show, American Idol, cerimônia do Oscar.... É tudo junto numa coisa só. A Capital parece mais o “País das Maravilhas” se você notar a vestimenta de seus habitantes. Teve hora que achei que Effie Trinket (Elizabeth Banks), a mulher que faz a colheita dos jovens no Distrito 12, era a versão feminina do “Chapeleiro Louco”.
 
O jogo é uma coisa cruel, mas vista pelos cidadãos da Capital como o evento do ano, cheio de glamour, com direito a usar a melhor roupa que possui durante o espetáculo. Katniss é uma garota esperta, mas terá que aprender a sobreviver se quiser ganhar a disputa, porque quem perde sai de lá morto, já que a ordem é destruir o concorrente.

Será com certeza a nova sensação dos cinemas, com direito a grandes filas e jovens suspirando e torcendo pelo possível romance que surgirá no decorrer da história. É assistir para conferir e não ficar por fora da nova trilogia de sucesso já antecipado.



2 comentários:

  1. Ei, paulista. Tá uma mistureba mesmo. Lembrei até de jogos mortais, em que os "eleitos" terminam ...Que mais? Passando por gladiadores de "Ben-Hur" a "Mad Max". Uma nova roupagem, como diriam. Só falta o filme mostrar apenas os EUA, né? É a gincana teen no melhor estilo MMA. rs

    Agora o sci-fi é por causa do fim do mundo? Velozes e furiosos que se cuidem .... hehe

    ResponderExcluir
  2. Oivim conhecer este bloguinho e já estou seguindo,Vim convidar para conhecer o meu,
    lambeijos do Tigre

    ResponderExcluir