terça-feira, 25 de maio de 2010

Lost: É o fim

Atenção: Spoilers para quem ainda não viu o último episódio

Após seis anos de convivência e dúvidas, chega ao fim a série de grande audiência que mexeu muito com pessoas de todo o mundo. Lost vai ficar na história das séries mais intrigantes e interessantes que já vimos.

Muitos amaram, outros odiaram. A série começou com um propósito, meio que se perdeu depois da terceira temporada, e se consagrou em “The End”, seu episódio final. Muitas perguntas de fato não foram respondidas, mas o que importa? O final emocionante arrancou lágrimas de muitos, inclusive minhas.

Do mesmo jeito que iniciou, acabou: com a imagem do olho de Jack Shepard. A série começa com ele acordando após o acidente e termina com seus olhos cerrando para a morte. Teorias ainda rolam na internet, mas o que mais parece certo é que a realidade paralela era de fato o purgatório que se encontravam até ajustarem seus pecados e entenderem que morreram.

O que já havia acontecido, de fato aconteceu. Eles caíram de avião naquela ilha, onde sofrimentos e glórias foram alcançados, e foram morrendo aos poucos, conforme disse Christian Shepard: “Uns antes e outros depois de você (Jack)”.

Muitos personagens estiveram fora do final, como Mr. Eko, Walt, Michael, e outros que apareceram em determinados momentos como Ana Lucia e Charles Widmore, que sabemos que morreram, mas não apareceram no series finale. Em contrapartida, vimos os irmãos Boone e Shanon, Juliet e Charlie.

Apesar de louco, foi interessante. Desmond era sim uma peça importante na ilha. Mas certas coisas são difíceis de entender, como aquele “tampão” que protege a luz que dizem ser o coração da ilha. Depois que Desmond tirou aquilo do lugar, a imagem ficou em branco e preto, e todas as coisas mudaram por ali. O que não era possível, como o monstro da fumaça matar o escolhido, ou vice-versa, tornou-se possível. E foi assim que o MIB deferiu um golpe de faca em Jack e acabou sendo morto com um tiro disparado por Kate.

Como o próprio “fumaça” disse, era evidente a escolha de Jacob por Jack. E Jack fez bem o seu trabalho. Morreu lutando pelo que acreditava. Só demorou a entender que sua realidade paralela não era verdadeira. Todos entenderam antes dele. Precisou de seu pai convence-lo de que aquilo não era de fato real.

Aliás, achei que essa função seria toda de Desmond, que sempre foi o cara gente boa da série. Christian não era um exemplo de boa pessoa para abrir a porta do céu. E tudo parece estar ligado a fatos bíblicos mesmo: a história dos irmãos Jacob e Esaú (nome provável do monstro da fumaça), a vida pós morte, o purgatório, o céu, os eleitos, os profetas...

Enfim, o final foi lindo, com todos descobrindo a verdade e se unindo. Ben se redimiu e entendeu que prejudicou muita gente, que foi egoísta e mal, e preferiu não se juntar aos “losties”. Mas antes disso, pediu perdão a Locke por te-lo matado e agradeceu a Hurley o fato de ser escolhido por ele, novo protetor da ilha, a missão de segundo homem na defesa da mesma. Todos os casais agora se encontraram e se ajustaram, inclusive Jack, que ficou mesmo com Kate, sua amada desde o início.

O que de fato era a ilha, porque ela dava certos poderes e curas para as pessoas que ali estavam, como eles conseguiram voltar ou viajar no tempo, como a Dharma conseguiu se intalar ali, são algumas das perguntas que ficaram sem resposta. Eu achava mesmo que eles tinham morrido logo na queda do Oceanic 815, só assim justificaria todas essas maluquices de viajem no tempo e cura de problemas como o de Locke, que livrou-se de uma paralisia irreversível, e Rose, que se curou de um câncer terminal.

Mas vê-los todos juntos naquela igreja, confraternizando e encontrando a paz e liberdade verdadeira ao encontrarem a luz foi pra lá de emocionante. Valeu cada ano assistido, cada mistério não esclarecido, cada raiva passada e cada absurdo impossível que aconteceu. Vai ser difícil aparecer outra série tão empolgante e envolvente assim.

Fiquemos agora com as lembranças e saudades do que se foi. See you in another life, brothas! Namastê.





Matthew Fox em sua cena final. Fotos: Mario Perez /ABC 

3 comentários:

  1. Olá, obrigado pelo comentário lá no meu blog. Realmente, foi um final emocionante, ver o Jack morreu foi difícil, mas entendi e aceitei isso.

    Sobre a rolha que Desmond tira, deve ter relação com explicação que o jacob deu para o Richard em um episódio. Só se tirar aquela rolha, o mal pode sair da garrafa, nesse caso da ilha.

    Acho que valeu a pena esses seis anos, e como você mesmo disse: vai ser difícil aparecer uma série igual. Lost é única.

    Abraço.

    Ah, já vi que você é fã de gatos... Também adoro, tenho alguns aqui. rs

    ResponderExcluir
  2. Oiii. olha, adorei seu comentario no meu blog.. Somos fãs de Lost!! rs Já to te seguindo.. vc pode me seguir tambéeem.. adoraria!! =)) beijoooooos

    ResponderExcluir
  3. O que eu mais gostei foi o final que o meu personagem favorito, o boa praça e sempre engraçado Hurley recebeu. Gostei muito da série, e sempre que vejo o comercial de LOST no AXN, ainda me viro para olhar! Marcou e vai deixar saudades!

    Um grande abraço...

    ResponderExcluir