sexta-feira, 14 de maio de 2010

Desvios de conduta cercam “Os Homens Que Não Amavam as Mulheres”

Suspense, mistério, violência sexual, investigação e principalmente desvios de conduta estão presentes no filme Os Homens Que Não Amavam as Mulheres (Millennium: Part 1 - Men Who Hate Women), que estreia nesta sexta-feira (14/05).

Mikael Blomkvist (Michael Nyqvist) é jornalista investigativo da revista Millennium, porém está passando por problemas em sua vida pessoal. Acusado de calúnia e difamação, foi condenado e terá que passar um tempo na prisão.

Mas enquanto isso não acontece, ele é procurado para investigar o sumiço de Harriet Vanger, que desapareceu há 36 anos atrás de maneira estranha. Mikael vai então para a ilha de Hedeby, onde tudo aconteceu, passando a investigar todo o passado da poderosa família Vanger. Mas ele não está sozinho nessa investigação. A hacker Lisbeth Salander (Noomi Rapace) acaba unindo seus conhecimentos e parte com Mikael para Hedeby.

Lisbeth é uma figura importante no filme. Com hábitos nada usuais, a moça vive uma liberdade assistida devido sua rebeldia incontrolável. Inteligente, ela terá que lidar com o perigo e pessoas que tentam aproveitar de sua situação.

O filme é forte, com cenas de estupro e violência marcantes. A magérrima Noomi Rapace passa a imagem necessária para sua personagem, fazendo qualquer um temer cruzar o caminho da hacker.

"Os Homens Que Não Amavam as Mulheres" mostra como os desvios de caráter e conduta fazem histórias terem finais tristes ou sofridos. Nesse caso, especificamente, como mulheres podem sofrer com chantagem sexual ou obsessão por parte de loucos maníacos que defendem uma falsa moral ou aproveitam de sua força para um constrangimento.

O suspense é muito bom, fazendo com que você se prenda e tente desvendar junto todo o mistério que circunda a família Vanger. O filme é de origem suíça e a direção é de Niels Arden Oplev.

Por tratar-se de uma trilogia, vamos esperar para o próximo capítulo da série, porque esse primeiro deverá chamar bastante a atenção dos cinéfilos.

3 comentários:

  1. o filme ficou até leve se comparado com o livro. Eu gostei, enxugaram bem. Quando li o livro levei muito tempo até conseguir identificar todos os personagens e como se relacionavam, depois que os dois personagens principais se encontram é que fica interessante a narrativa.
    abraços .

    ah, sobre o post anterior só 1
    um comentário: RADICAL!!!!

    ResponderExcluir
  2. Estou doido pra conferir, mas sei que o livro é bem mais denso!

    parabéns pelo blog, te sigo!

    ResponderExcluir
  3. Este ainda não vi por pouco. Não estava com cabeça na hora. Mais ainda quando o cara da locadora (sim, ainda uso!) me disse que haviam cenas fortes, de estupro.

    Realmente ele pareceu denso, então fui deixando. Por vezes a gente quer apenas e tão somente uma distração, sem algo que fique ali na cabeça.

    Legal saber dos detalhes.

    ResponderExcluir