terça-feira, 18 de agosto de 2009

Briga de “cachorro grande”

Mais uma vez a Rede Globo e Rede Record de Televisão voltam a se atacar usando os seus telejornais.

Segundo consta, tudo começou na noite de quinta-feira, 13 de agosto, quando o Jornal Nacional noticiou acusações contra o bispo e dono da emissora concorrente, Edir Macedo. Por sua vez, o bispo não deixou barato e usou de sua emissora para atacar e também responder as acusações. No último domingo (16), a Record usou de seu programa Repórter Record para falar sobre a situação que seria, conforme eles mesmos disseram, “ataques desesperados da Rede Globo”. Houve até uma entrevista “exclusiva” (mas é claro que ele dá entrevista, é para emissora dele, não é mesmo?) com o bispo Macedo, que disse sofrer perseguição.

É uma tremenda briga de cachorro grande, onde cada um tenta cavucar a sujeira do outro para se defender e atacar. Fico só pensando na situação dos jornalistas que são obrigados a apresentar essa palhaçada, defendendo a emissora a que pertencem e tomando partido em briga que não é deles. Complicado...

O que ninguém deve esquecer é que “quem telhado de vidro não pode atirar pedra no vizinho”. Seja como for, o que interessa para o público é a verdade e a boa programação. Essas picuinhas e brigas pelo poder com certeza não trarão nada de bom para o telespectador, e sim para eles mesmos. Então vamos brigar sim, mas pela programação, que ultimamente está fraca e pobre. E sem monopólio, porque tudo o que é monopolizado não traz vantagem nenhuma para a grande população.

Quem sabe um dia poderemos assistir Copa do Mundo, Olimpíadas, e outros eventos mundiais e importantes sendo televisionados por todas emissoras abertas, sem essa chatice de uma só transmitir e passar somente o que interessa a ela. Essa sim seria uma briga boa...

Um comentário:

  1. Primeiramente, parabéns à jornalista pela iniciativa. O blog tem vários artigos excelentes, que propõem uma reflexão inteligente sobre vários assuntos através de um texto bem agradável, gostoso de se ler.

    Sobre a briga "Record x Globo", creio, ambas infelizmente possuem seus pontos fracos. A Globo sempre esteve ao lado do poder e do dinheiro, e por isso evita ao máximo atacar em seus noticiários a "Máfia" que compõe o Governo Federal. A Record, por sua vez, dirigida em sua maioria pelos bispos da Igreja Universal, faz parte de um patrimônio erguido às custas da fé de uma gente sofrida e muito simples. Isto está mais do que claro pelas brilhantes reportagens que pudemos conferir nos últimos dias - no meio impresso. Acho que NENHUMA igreja deveria possuir patrimônio ou veículo de comunicação, nem tão pouco ter um horário ou espaço em um veículo. Não pagam impostos, e por isso sua concorrência é desleal com qualquer empresa que precisa matar um leão por dia para honrar seus compromissos e tributos. Quanto as arrecadações dentro da igreja, bem sabemos que contribui quem quer, mas aqui vai uma pergunta: Para quem lê e conhece bem o Evangelho, em qual passagem está escrito que Jesus cobrou algo de alguém?

    Silvia, um grande abraço e mais uma vez, parabéns pelo excelente trabalho.

    Fernando Aires

    ResponderExcluir