quinta-feira, 21 de março de 2013

Crítica : Django Livre


Tarantino traz a história da escravidão americana e o sonho de sua liberdade




Quentin Tarantino traz uma grande obra capaz de fazer valer cada momento em frente à telona (ou telinha). Django Livre (Django Unchained) retrata a situação de negros escravos dos Estados Unidos em tempos anteriores à Guerra Civil.

Django (Jamie Foxx) é um escravo, e acaba sendo solicitado por Dr. King Schultz (Christoph Waltz), um caçador de recompensas que quer encontrar os irmãos Brittle, os quais Django sabe quem são.

Em troca da fidelidade e ajuda de Django, Schultz promete dar a liberdade ao escravo se ele o ajudar com mais alguns homens procurados. Django aceita a oferta, já que também está procurando sua esposa Broomhilda (Kerry Washington), escrava que foi vendida para a Candyland, uma fazenda onde os negros são tratados com requintes de crueldade.

Calvin Candie (Leonardo DiCaprio) é o dono da Candyland, e será assediado para algumas negociatas por Dr. Schultz e Django, mas logo serão descobertos por Stephen (Samuel L. Jackson), o escravo doméstico de Candie.

Uma história emocionante, bem ambientada e com ótimo roteiro. Nem tem o que se falar dos atores. Apesar da grande atuação de todos, destaco aqui Christoph Waltz, atuando de maneira brilhante. Seu papel é de um homem que acredita na liberdade e a defende para todos os escravos. Os maus elementos ele caça e entrega para a justiça para conseguir sua devida recompensa. E Django aprende muito bem com ele.

Difícil não assistir e se emocionar com a história, se enfurecer com o tratamento dado a humanos que eles chamam de escravos, e torcer a cada manobra de Dr. Schultz.

De início, mais parece um filme de velho oeste, mas seu enredo te mostrará que a história vale a pena. Um final emocionante e surpreendente.


6 comentários:

  1. Eu gostei bastante do filme, sangrento como todo filme do Tarantino, mas com um enredo que te prende. Acho apenas que poderia ser um pouquinho mais curto, sinto que ultimamente todos querem fazer filmes enormes e eu acabei cochilando em um pedacinho.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Gostei também, Tarantino faz uma homenagem aos chamados "western spaghetti" e a violência nos tiroteios dos filmes de Sam Peckinpah.

    A atuação de Christoph Waltz é fantástica.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu amei esse filme! Aliás, gosto do Tarantino! Mas as atuações, o enredo, enfim, tudo em Django é de um magnetismo que prende sem dó!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, faz tempo que não pego um cineminha...já estou sentindo falta.

    Gostaria de assistir esse filme.

    Sílvia, adorei seus comentários, fiquei curiosa.

    Tenha um ótimo final de semana,

    beijinhos,

    Lígia e turminha:)

    ResponderExcluir
  5. Como todos os filmes do Tarantino, esse ficou impecável! Adorei tudo, principalmente a atuação do Christopher Waltz, que sempre dá um charme a mais para as obras do Tarantino: lembra do coronel Hans Landa, do Bastardos Inglórios?

    Beijinhos!

    ResponderExcluir