sexta-feira, 8 de novembro de 2013

De funk ostentação a reis do camarote – Onde vamos parar?


Vivemos num momento exagerado de consumismo selvagem, onde músicas e atitudes tentam vender a ideia de que ter dinheiro e sair por aí mostrando suas posses é a coisa mais legal que existe. Será?

Não serei hipócrita aqui em dizer que ter posses não seja bom, é claro que é. Você ter dinheiro para pagar algumas de suas vontades é muito bom. Eu, por exemplo, amo viajar. Gostaria de poder fazer mais vezes isso, mas a falta de dinheiro e tempo me impede. Mas, penso eu, que a viagem me faz bem para a alma, pois agrego cultura, conhecimento e paisagens inesquecíveis que guardarei para sempre em minha memória.

Agora, o que me agrega, por exemplo, gastar milhões em uma noitada? Fingindo ser amigo de todos, sabendo que muitos que se aproximam de mim é por puro interesse, gastando um dinheiro que não vai me trazer nada de bom em retorno. Ah, sim, a não ser ressaca e a cara de bobo ao perceber que realmente nada mudou, a não ser uma exposição que me ridiculariza na mídia.

O funk diz que mudou, que evoluiu. Antes, falava só de sexo e coisas do tipo, agora fala de ter dinheiro, carro de luxo, tênis de marca e tudo mais que mostrar que eu sou melhor do que os outros porque eu tenho dinheiro. Isso é o funk ostentação.

Que me desculpem os apreciadores do funk, mas para mim continua na mesma. Onde está escrito que ostentar é legal? Que eu sou mais legal porque tenho coisas que tem um nome que vende mais caro? Ou porque tenho o carrão importado que os artistas têm, e saio por aí enchendo a cara e causando acidentes que marcarão por um resto de vida uma família toda?

Não, eu não acredito que isso mostre o caráter de uma pessoa, que é o que importa. Ter dinheiro é legal, mas não é algo para se esfregar na cara das pessoas e se achar melhor do que os outros. É algo para que você possa curtir a vida de uma maneira saudável, e com honestidade.

Num mundo cada vez mais materialista, em que as pessoas dão mais valor para nomes do que caráter, não é de se assustar quando vemos essa violência desenfreada que aumenta a cada dia em nosso país. Tudo por quê? Por que quem se ilude com esse tipo de coisa e não tem como comprar, acaba caindo no mundo sombrio do crime, porque ostentar é legal e faz com que ganhe mais gatinhas em sua garupa.

E eu te pergunto: Onde vamos parar com toda essa ostentação? Se já tenho medo do que vejo agora, não quero nem pensar no que virá depois, já que ostentação virou moda.




5 comentários:

  1. E cada dia que passa eu fico com mais vergonha de morar no Brasil,já não basta os políticos agora temos que aguentar isso. Odeio funk e essa matéria " Rei do Camarote",achei a coisa mais desnecessária! Fico com vontade de ter nascido na época de Renato Russo,Ramones,Guns n Roses ,no tempo que a música ainda era boa aqui no Brasil!! O que me resta é lamentar .

    http://mylittleeverithing.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Sílvia,

    Acho que infelizmente, a inversão de valores fala mais alto!!

    Exemplos vemos ao ligar a tv. Cada dia, surge uma aberração diferente e tudo fica por isso mesmo…cai na normalidade!!!

    Notamos que há falta de lares estruturados no diálogo, no bom exemplo, na firmeza do dizer "não". Vemos por ai um bando de crianças princípes e princesas que querem dominar o mundo!!!! - e dominam - começando pelos pais, que cedem tudo, sem esclarecer sobre os limites.

    Por outro lado, a escola é deposito de crianças, que saem mal sabendo escrever o próprio nome; porém, ambicionam tudo o que o comércio oferece, como se aquele monte de inutilidades fossem cair dos céus!!! A Escola atinge poucos. A grande massa sai sem pensamento crítico, não politizados, desprezando a leitura de bons livros…ai…sei lá…dá até desespero em pensar muito onde tudo isso vai parar!!!!!!

    É…tempos difíceis!!

    beijinhos,

    Lígia e=ˆ.ˆ=

    ResponderExcluir
  3. Silvia eu acho que as pessoas estão ficando cada vez mais sem noção do ridículo, é trite amiga.

    http://soltandooosbichos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir