terça-feira, 16 de julho de 2013

Crítica: O Homem de Aço



Novo Superman  perde característica do filme anterior e se aproxima da HQ


Com a direção de Zach Snyder (Watchmen), e produção de Christopher Nolan (Batman), o super-herói mais conhecido no mundo volta ao cinema em O Homem de Aço (Man of Steel).

Kal-El (Henry Cavill), filho de Jor-el (Russel Crowe), do planeta Kripton, é enviado a Terra após a destruição de seu planeta. Aqui ele se torna Clark Kent (Cavill) adotado por Martha (Diane Lane) e Jonathan (Kevin Costner), e enfrenta os problemas por ser diferente e possuir poderes  extraordinários. Louis Lane (Amy Adams), a repórter do Planeta Diário, é quem descobrirá a importância de Kent como herói diante o mundo.

Anos se passaram até que se resolvesse regravar a história de Superman novamente. Uma tentativa frustrada em 2006, de Bryan Singer, fez com que "Superman – O Retorno" não alcançasse a desejável bilheteria. O jeito seria reescrever a história.

Os que acompanham a vida do herói via HQ estão muito satisfeitos com o resultado. Bem mais próximo daquela realidade, o novo Superman, ou agora, o Homem de Aço, deixou de ser aquele herói carismático de Christopher Reeve para se tornar um alienígena que tem poderes na Terra.

Já fãs da saga onde Reeve foi o herói que embalou muitos sonhos de infância e adolescência saíram com uma certa decepção do cinema. Esse foi meu caso. Vi no novo Superman um alienígena, e não um quase humano como era o Clark Kent de Reeve, ou mesmo o de Brandon Routh, já que a intenção de "Superman – O Retorno" era uma continuação do que foram os filmes da década de 70 e 80.

Para mim ficou faltando algo, até mesmo a música tema dos outros filmes, onde a emoção rolava ao ver o Superman voando para defender o mundo, não aconteceu. Tudo é diferente.

O legal neste filme é que tudo é muito bem explicadinho. O excesso de flashbacks meio que atrapalha o andamento da história, mas todos os porquês são devidamente apresentados. Mas assim mesmo, algo ficou faltando. Ele não passa sua adolescência na Fortaleza da Solidão, e não é explicado o motivo de ter que usar aquela roupa com capa para seus momentos de heroísmo.

Louis Lane descobre o Homem de Aço de uma maneira bem ridícula. E logo o mundo fica sabendo quem é Clark Kent, ou seja, até então, nada de identidade secreta. Outra coisa que achei que não cabia foi a entrada do General Zod (Michael Shannon) no filme. Poderia ter sido melhor aproveitado no segundo longa, e ter apresentado aqui Lex Luthor, que não apareceu.

Henry Cavill não me pareceu muito afinado com seu personagem. Faltou um pouco de carisma, talvez. O Kent de Cavill é bem mais sério, e o Homem de Aço deixa bem claro que ele dominaria o mundo se quisesse, mas que não foi educado para isso. Sinto até uma pontinha de arrogância nesse novo herói.

As cenas de luta são de uma poluição visual exagerada. Muita informação, uma boa dose de realismo e lá se foi todo o fascínio que eu tinha pelo Superman. Ficou bem no estilo do sombrio Batman de Nolan. Só que Batman é um ser sombrio mesmo, revoltado e vingativo, já o Superman só quer saber sua origem e defender os humanos que ele tanto ama de todo o mal.

Enfim, já ouvi quem gostou e quem se decepcionou. É o tipo de filme que você tem que conferir pessoalmente para tirar suas conclusões. Aos fãs do HQ, com certeza irão gostar. Aos saudosistas dos filmes de Reeve, meus pêsames, o Superman não é mais o mesmo.



Imagens: Divulgação

3 comentários:

  1. Eu gostei do filme. Claro que não dá para comparar com os filmes antigos do supermam, é totalmente diferente, e aqueles tinham gosto de infância e marcaram uma época. A música fez falta, mas parece que rola um problema de direitos autorais.
    Acho que neste filme o homem de aço ( não acostumo com isso!) estava tentando se achar, descobrir qual é o seu papel neste mundo. No filme o mundo inteiro não ficou sabendo sua identidade já que a Lois Lane não conta e ele se apresenta apenas como o alienigena escondido em nosso planeta, claro que algumas pessoas na sua cidade origem ficaram sabendo ou pelo menos desconfiaram, mas sabe que esse é o lado lúdico do supermam, afinal um óculos não esconde todo o resto, mas enfim faz parte da lenda.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Enfim desgrudaram o Superman do Superman dos filmes do Donner. Foi muito bom na sua época, mas passou e hoje, como filme, não funcionaria mais, prova disso foi Returns de 2006. Não vi as cenas de ação como poluídas, mas sim como frenéticas, muito bem feitas, tudo que um grande fã do Superman sempre quis ver a já achava que ninguém teria coragem de fazer: Um filme de ação e não uma comédia romântica. Ficou tudo muito bem costurado e aberto pra uma nova sequencia. Se fosse um filme à la Donner seria fracasso total e o herói seria chacota e tiro na cabeça da DC e Warner. Por outro lado recontando a história de modo diferente e até mais realista, vai trazer algumas críticas no começo, mas deve ter muito sucesso nas sequencias culminando com o tão sonhado filme da Liga da Justiça. O Super tem tudo agora para adquirir mais afeição e carisma com o público nos próximos filmes. De qualquer forma, Henry Cavill convenceu muito bem como Super, não foi picolé de xuxu como alguns querem dar a entender, muito pelo contrário, tanto como Clark, Kal-el ou Superman foi muito bem no papel, mas como o tom do filme sempre foi mais sério, e pelas circunstâncias...uma invasão alienígena de seres superpoderosos, que são seus...conterrâneos, e a invasão querendo ou não ainda é culpa sua, não tem como ficar fazendo piadinhas e dando muitos sorrizinhos, aí ele seria Tony Stark.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do filme, mas achei a cena da luta muito muito grande. Mostrar ele criança também ficou legal, já que os filmes de hoje mostram mais a adolescência dos heróis. Odiei a Louis Lane! É boa repórter, mas não há um devido encaixe na história .... Ela só beija lá no final. E nem voaram juntos? Saudades 1000 do Reeve, dele voando, de uma boa trilha tb. Agora o Russel Crowe mandou muuuuito bem! Nossa! Nem me lembro mais do Kevin Costner. hehe E, gostei de sua abordagem quanto ao lado alienígena, Silvinha. Muito bom mesmo! :)

    ResponderExcluir