terça-feira, 15 de julho de 2014

E agora fica a saudade da Copa do Mundo no Brasil



Logo de cara já digo que essa Copa vai deixar saudade. Apesar de não ter concordado no início em fazer um evento deste porte no Brasil (e continuo achando que não era época para isso), podemos dizer que felizmente tivemos um saldo positivo.

Com obras em estádios, metrôs, aeroportos, vias públicas, tudo atrasado, além da falta de suporte e segurança, o medo era que tivéssemos uma “Copa do caos” de fato. Problemas tiveram, e muitos. Alguns até não divulgados, como vários roubos e furtos a turistas, e o maior deles, a queda do viaduto em construção em Belo Horizonte (MG), com saldo de dois mortos e alguns feridos.

Apesar de toda a tristeza sobre essa tragédia que envolve a Copa no Brasil, também tivemos grande movimento de turistas e alegria incontida pelas ruas das cidades sedes.

Vou falar particularmente da minha cidade, São Paulo. Ruas enfeitadas, cores verde e amarelo em todos os cantos, e a Arena São Paulo (Itaquerão) fazendo parte de toda a festa. Para quem gosta de Copa do Mundo, sabe bem o que estou falando. A alegria do evento é contagiante. Imagina só quando o evento é em nossa casa.

Foi emocionante ver os gringos por toda parte, aquela mescla de idiomas, de cultura, de euforia por estar conhecendo um país em que muitos deles tiveram até dúvida em visitar, devido a fama negativa no exterior. Mas o que vi foi gringo feliz, satisfeito em sua maioria, ainda que tivesse enfrentado algum incidente. Gente que se maravilhou com a amabilidade do povo brasileiro, com sua gastronomia diversificada e rica, com lugares bonitos por natureza e engenharia.

Em São Paulo tive oportunidade de encontrar os gringos pela cidade em lugares característicos como a Avenida Paulista, o metrô, e principalmente na área do Itaquerão, já que havia um esquema com telões e música para a festa dos turistas no interior do shopping Itaquera. A torcida gritava por seu país, usava suas cores e se misturava com o povo brasileiro, que entrava na festa e comemorava com muita alegria.

Não ganhamos a Copa em nosso país, ao contrário, passamos um verdadeiro vexame com o resultado de 7 x 1 contra a Alemanha. Viramos motivos de piada e com certeza ficaremos marcados pelo ocorrido. Tivemos a perda do craque Neymar neste jogo após incidente com a Colômbia, o que dificultou ainda mais nosso avanço no campeonato. Mas ainda terminamos em quarto lugar no torneio.

E ainda tem os que acreditam nas teorias da conspiração de que a Copa foi comprada, de que a Copa foi vendida, de que Neymar combinou para que o machucassem, além de outras descobertas que o povo “fica sabendo” e repassa pela internet.

Oras, se o Brasil ganhasse a Copa, é porque ela foi comprada. Se ele perde a Copa, é porque a vendeu. Decidam-se! Vendemos ou compramos? O negócio é aceitar que o time era ruim mesmo, mal entrosado, mal treinado, seja o que for. Não tínhamos condições de ganhar o campeonato com times mais bem estruturados, com jogadores que treinam juntos há anos e junto a muitos craques experientes. Quem tínhamos de mais experiente em nossa seleção? Eram meninos que choravam na primeira sensação de crise, não havia aquela garra de lutador, de falar palavrão por cada gol convertido, e sim muitas lágrimas. Nada contra chorar, mas deixa pra chorar depois que realmente está fora do campeonato, sem mais condições de disputa.

Seja como for, a Alemanha levou merecidamente o título de campeã, sendo essa a conquista do seu tetracampeonato. Jogaram bem, foram técnicos, se divertiram enquanto puderam no país, e ainda deixaram benfeitorias para a região de Santa Cruz Cabrália (BA), cidade onde ficaram hospedados. Os alemães chegaram a pedir desculpas para os brasileiros devido a goleada de 7 x 1 e agradeceram o apoio recebido durante o jogo da final.

A Copa do Brasil foi realmente uma Copa de emoções, de muitas cores, de muitos gols, de muita alegria. Ficará marcada na memória de quem viveu esse momento. Só não deve ser misturada à política, que é para não tirar o brilho do espetáculo, que se deve aos brasileiros, torcedores e turistas, e não a políticos e seus partidos.

Apesar de não poder ter participado de nenhum jogo dessa Copa em meu país, sempre me lembrarei da festa brasileira e dos gringos que compartilharam sua alegria conosco. Adoro Copa do Mundo, e foi muito legal ver essa um pouquinho mais de perto.




3 comentários:

  1. A Copa tem de ser analisada por dois lados. Como futebol dentro do gramado ela foi ótima, acima das expectativas. Por outro lado, o dinheiro jogado no ralo, ou pior, jogado no bolso de alguns foi um grande desperdício, uma vergonha muito maior que o 7 x 1.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Hugo, depois que terminei o texto vi que esqueci de citar o vergonhoso superfaturamento em tudo. Teve o lado bonito, mas teve a vergonha nacional, infelizmente

      Excluir
  2. Não sou fã de futebol, nem mesmo me ligava em jogos da Copa, mas desta vez não teve como ficar totalmente alheio. As reportagens na TV que antecediam os jogos mostrando as festas típicas de cada povo e suas expectativas para o jogo que aconteceria em breve convidavam o espectador a participar. Me arrependo de não ter prestado atenção nesse clima festivo desde a semana que antecedeu a abertura em 12 de junho. Abs

    ResponderExcluir